BEM-VINDOS

A língua é uma das minhas maiores paixões - seja no campo da linguística seja relativa ao paladar. Este blog está centrado na primeira opção, mas de tudo um pouco pode ser encontrado aqui: leituras deleite, dicas, tira-dúvidas, análises linguísticas e tópicos de gramática normativa, curiosidades, humor e muito mais. Está esperando o quê?! Professor Diogo Xavier

Curta e acompanhe nossa página no Facebook

domingo, 8 de julho de 2012

Análise Literária - Balada (Tchê Tchê Rere)

*Esta postagem é de cunho puramente humorístico. Não visa inferiorizar aqueles que gostam da música, do cantor ou do estilo musical. Se acha que vai se sentir ofendido, não leia. Simples assim.

Bem, como eu já havia feito algumas vezes no Facebook, farei uma análise crítica e reflexiva acerca do estilo e das concepções filosóficas de um artista contemporâneo que manifestam toda sua cultura na forma de composições líricas para serem acompanhadas por arranjos musicais. Nossa, profundo.

Enfim, as observações vão em destaque, junto com a letra. Se quiser ouvir [de sua própria conta e risco], o vídeo vai incorporado à postagem. Caso queira ler esta riquíssima obra sem os comentários impertinentes, clique AQUI.


Balada (Tchê Tchê Rere)
Gusttavo Lima


Eu já lavei o meu carro, regulei o som [é balada mesmo ou aquele costume de pseudo ricos de colocar o som em último volume no carro na frente de um posto de gasolina para não pagar ingresso numa balada de verdade? Pergunta retórica. Já sabemos a resposta]
Já tá tudo preparado, vem que o brega é bom [Paradoxo. Clique para saber o que é.]
Menina fica a vontade, entre e faça a festa [Não sei se a ausência de crase em "a vontade" está na letra original ou no site que publicou. Enfim. Aparentemente já começou a balada, mas, 'peraí'! Entra onde? No carro?]
Me liga mais tarde, vou adorar, vamos nessa [Então não começou? Como assim?]

Gata, me liga, mais tarde tem balada [Isso já foi dito. O nome da música é 'balada', mas até agora só se falou que acontecerá em momento posterior. Esta estrofe e a próxima se repetem. Não deu pra pensar em algo novo]
Quero curtir com você na madrugada [Com essa riqueza vocabular, é melhor que ele tenha outros atrativos]
Dançar, pular até o sol raiar. [Dentro do carro?]

Gata, me liga, mais tarde tem balada [Mais tarde quando? Ano que vem?]
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar. 

Tchê tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê, [Temos aqui uma onomatopeia, usada para representar um som que só Deus sabe de que é. Tem alguma coisa a ver com a balada que nunca começa? Com o carro? Com o telefonema da menina ?]
Gustavo Lima e você [x2] [Rima altamente criativa: tchê > você. Não tenho palavras para adjetivar um cantor que coloca o seu próprio nome na letra da música. Como a Legião Urbana não pensou nisso antes?

"Quero colo, vou fugir de casa
Posso dormir aqui

Renato Russo e você?]

Se você me olhar vou querer te pegar [É de uma riqueza sentimental. Ma-ra-vi-lho-so! O eu-lírico afirma crer que o olhar da mulher que se pretende cortejar em direção ao seus olhos provocaria sensações e sentimentos afetivos os quais gerariam um aumento da circulação sanguínea e estímulos fisiológicos. Tudo isso provocaria um instinto físico que impulsiona o ser humano ao prazer sexual e geraria a vontade de estabelecer contato físico com a mulher em questão]
E depois namorar, curtição [Devido à catarse provocada pelo verso anterior, o poeta cometeu um pequeno deslize de paralelismo, já que os dois primeiros complementos do verbo QUERER são verbos, e o terceiro , desconexo e mal encaixado, é um substantivo, gerando a quebra de paralelismo]
Que hoje vai rolar... [Esse gosta de futuro, né? Começa ou não começa?!]

Gata, me liga, mais tarde tem balada ["masoq"!!! De novo?]
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular até o sol raiar.

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar.

Tchê tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê,
Gustavo Lima e você[x2] [vemos aí uma repetição nas três últimas estrofes, claramente, caracterizando o refrão ou estribilho, provavelmente influência da poesia trovadoresca, como o poema chamado, pela teoria literária, de balada. Ei, agora descobri o por quê do título!!!]

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar.

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar.

Tem Gustavo Lima até de madrugada. [Como assim? Depois disso ele não mais existirá? Estará ele prevendo sua morte? Intrigante...]
[As partes seguintes dispensam análise, uma vez que já foram devidamente apreciadas logo acima. Essa repetição intencional visa reforçar a ideia do amor à primeira vista, ressaltada na segunda estrofe, além de visar enquadrar-se no estilo poético 'balada', como já foi citado] 

Tchê tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê,
Gustavo Lima e você[x2]

Se você me olhar vou querer te pegar
E depois namorar, curtição
Que hoje vai rolar...

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular até o sol raiar.

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar.

Tchê tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê,
Gustavo Lima e você[x2]


Seria esse o carro em questão?


É isso! Espero ter feito jus a toda a grandiosidade dessa produção artística musical. Em breve, teremos mais.
Boa semana e boas férias, pra quem as tem.

Professor Diogo Xavier

tags: humor, música, gustavo lima, balada, tchê tcherere tchê tchê, crítica, piada

FAÇA SUA BUSCA POR ASSUNTO AQUI