BEM-VINDOS

A língua é uma das minhas maiores paixões - seja no campo da linguística seja relativa ao paladar. Este blog está centrado na primeira opção, mas de tudo um pouco pode ser encontrado aqui: leituras deleite, dicas, tira-dúvidas, análises linguísticas e tópicos de gramática normativa, curiosidades, humor e muito mais. Está esperando o quê?! Professor Diogo Xavier

Conheça nossas soluções em Educação

FAÇA SUA BUSCA POR ASSUNTO AQUI

Carregando...

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Substantivo Concreto x Substantivo Abstrato I

Introdução (um pouco longa, por sinal) (quem quiser só saber objetivamente o que é substantivo concreto e abstrato pode pular para o final, onde a letra está maior)
Em muitos casos, algo explicado de forma muito simples acaba complicando mais as coisas. Quando ensinamos Língua Portuguesa, muitas vezes nos deparamos, em livros de gramática ou didáticos, com conceitos da gramática normativa vagos, mal-explicados e, quando comparamos autores, até contraditórios. Acredito que o ato de pesquisar deve ser inerente à profissão docente. Essa pesquisa se faz necessária, entre outros momentos, quando nos deparamos com esses conceitos vagos, mal-explicados. Se explicarmos aos alunos da forma simplista que alguns livros trazem, corremos o risco de perder  nosso tempo, caso os estudantes não compreendam. Quem está sintonizado com as novas tendências do ensino de Língua Portuguesa sabe que o ideal é que partamos do texto e a ele voltemos para explicar os aspectos gramaticais de nossa riquíssima língua. Não irei me ater a esse ponto. O que pretendo hoje é fazer uma pesquisa comparativa para ver se consigo encontrar alguma explicação inteligível, concreta (perdoe o trocadilho) acerca da diferença entre o substantivo concreto e o substantivo abstrato. Cansei daquela explicação de que concreto é aquilo que pode ser tocado ou sentido... aliás, são 22h (11/09, "aniversário" do ataque às torres gêmeas) e eu estou sentindo sono (substantivo abstrato).
Tenho aqui comigo quatro livros que consultarei:

  • Gramática de Hoje, de Ernani & Nicola. São Paulo: Scipione, 1999.



  • Gramática do Português Contemporâneo - edição de bolso, de Celso Cunha. Porto Alegre: Lexikon, 2008.


  • Gramática Houaiss da Língua Portuguesa, de José Carlos de Azeredo. São Paulo: Publifolha, 2008.


  • Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

Pretendo, ao fim da comparação, classificar (concreto ou abstrato) com base nos dados obtidos os seguintes substantivos: Carnaval, chulé, bagunça, ar, carro, Idade Média, poema, poesia, educação. Esses substantivos são alguns dos muitos que causam bastante dúvida nos alunos (e até nos professores) na hora de fazer a classificação em questão.
Ernani & Nicola conceituam substantivo concreto como aquele que "designa os seres reais ou imaginários que têm existência própria." (p.88). Substantivo abstrato, segundo os mesmos autores, é o que "designa as qualidades ou ações tomadas como seres. Os substantivos abstratos, por não terem existência própria, sempre estão apoiados em algo para serem percebidos." (p.88).
Segundo Cunha, contretos são "os substantivos que designam os seres propriamente ditos, isto é, os nomes de pessoas, animais, vegetais, lugares, instituições, coisas." (p.106). Abstratos, para ele, são "substantivos que designam noções, estados, qualidades, considerados como seres." (p.107).

A Gramática Houaiss, diferentemente das duas anteriormente citadas, explica de uma maneira mais extensa a diferença entre as duas classificações em questão. Segundo o autor, Azeredo, "A distinção entre concreto e abstrato refere-se a dois modos de representar os conceitos denotados pelos substantivos: seres animados ou inanimados, reais ou criados pela imaginação, mas que 'estão no mundo' como seres reconhecíveis pelos sentidos, são nomeados por substantivos concretos [...]; noções que denotam propriedades abstraídas dos seres concretos, e não estão sujeitas à distinção animado x inanimado, real x imaginário, são nomeadas por substantivos abstratos". (p.155). Azeredo completa: "É comum a alteração semântica do substantivo abstrato para designar uma entidade concreta. É o caso de chamar construção ou edificação ao prédio, entrada ou saída aos lugares por onde se entre ou sai [...] Também é possível o emprego do substantivo concreto para designar uma entidade abstrata. É o caso de coroa para denotar o poder do rei ou do imperador, ou de luz para significar esclarecimento." (p.156).
Vejamos como Bechara conceitua substantivo concreto: "é o que designa ser de existência independente: casa, mar, sol, automóvel, filho, mãe. [...] Os substantivos contretos nomeiam pessoas, lugares, animais, vegetais, minerais e coisas.", (p.113). Substantivo abstrato, conforme diz a Moderna Gramática Portuguesa, "é o que designa ser de existência dependente: prazer, beijo, trabalho. [...] Os substantivos abstratos designam ações (beijo, trabalho, saída, cansaço), estado e qualidade (prazer, beleza), considerados fora dos seres, como se tivessem existência individual." (p.113).
Bem, preciso dar uma pausa para dormir (são só 22:28, mas o sono é insistente). Os conceitos de cada livro foram coletados, resta agora analisar e comparar. Mas isso fica para depois...
PAUSA

São aproximadamente 21:20, do dia 15/09. Só agora estou retomando a postagem devido à correria dos trabalhos.
Bem, juntando (por justaposição) todos os conceitos apresentados a respeito do substantivo concreto, temos: designa seres reais ou imaginários que têm existência própria; designam seres propriamente ditos (os nomes de pessoas, animais, vegetais, lugares, instituições, coisas); representam seres que podem ser distinguidos em animados ou inanimados, reais ou imaginados, que, de certa forma estão no mundo como seres reconhecíveis pelos sentidos; designam seres de existência independente (pessoas, lugares, animais, vegetais, minerais e coisas).
Isolados, esses conceitos são um pouco confusos, uns mais e outros menos. O fato de representar seres de existência independente, por exemplo, suscita a questão: o que é existência independente? Carro, segundo a classificação é concreto e, portanto, "não precisa de outro ser para existir". Mas ele se fez sozinho ou foi construído por outros seres (máquinas e homens)?
Tentarei fundir esses conceitos extraídos das gramáticas em estudo:
Substantivo contreto: representa seres propriamente ditos, ou seja, que têm existência própria e podem ser reconhecidos pelos sentidos, bem como distinguidos entre animados ou inanimados, reais ou criados pela imaginação: pessoas, animais, vegetais, minerais, coisas e instituições.
Vejamos agora os conceitos para substantivo abstrato: designa qualidades ou ações, tomadas como seres, e está sempre apoiado em algo para ser percebido;  designa noções, estados, qualidades, considerados como seres; nomeia noções que denotam propriedades abstraídas dos seres propriamente ditos, que não estão sujeitas à distinção entre animado ou inanimado, real ou imaginário; designa ser de existência dependente: ações, estado e qualidade, considerados fora dos seres, como se tivessem existência individual.
Vamos ver o que eu consigo fundindo essas informações e acrescentando umas mais:
Substantivo abstrato: designa sentimentos, sensações físicas, ações, estados, qualidades (características), considerados fora dos seres, como se tivessem existência individual. Além de estar sempre apoiado em algo para ser percebido, foge à distinção entre animado ou inanimado, real ou imaginário. As noções nomeadas pelo substantivo abstrato denotam propriedades abstraídas (separadas) dos seres propriamente ditos.
Falta tentar usar os conceitos para classificar os substantivos que citei no início do post: Carnaval, chulé, bagunça, ar, carro, Idade Média, poema, poesia, educação. Isso, porém, vai ficar para a continuação...
Espero que não tenham morrido de tédio com esta longa postagem.
Abraços
Diogo Xavier

14 comentários:

  1. Afinal, chulé é um substantivo abstrato ou concreto?

    ResponderExcluir
  2. Em resposta a: "Afinal, chulé é um substantivo abstrato ou concreto?"

    Resposta: Acho que seja concreto, porque não deriva em de um adjetivo nem de um verbo.
    Já fedorento seria abstrato, pois deiva do verbo feder, e você não consegue desenhar "fedorento", já chulé, de alguma forma, você pode desenhar.

    (Professor Diogo que me corrija se eu estiver errado)

    ResponderExcluir
  3. chulé é concreto pq nao deriva de nenhum verbo ou adjetivo.

    ResponderExcluir
  4. Correto, Gabriel, o seu raciocínio.
    Porém fedorento é, em princípio um adjetivo. Em alguns casos ele se torna um substantivo, e concreto. Por quê? Quando está na função de substantivo, fedorento se refere a pessoas ou animais, portanto é concreto. A sua afirmação sobre fedorento vale para o substantivo fedor, que deriva diretamente do verbo feder. Aí, sim, ele é abstrato.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá professor!

    Mesmo com tantas explicações e comparações, continuo ainda com uma dúvida, como é que os substantivos abstratos podem ser "considerados fora do ser como se tivessem existência individual", isso continua me parecendo substantivo concreto.
    Será que você poderia me explicar?
    Obrigada.
    Débora

    ResponderExcluir
  6. Débora
    Um exemplo: FOME denomina uma sensação e, como tal, depende de um ser concreto para existir, para senti-la, correto?
    Se dizemos "sentimos muita fome" fica fácil identificar que a fome se apoia em outro ser (nós, sujeito oculto)para existir.
    Porém, quando eu digo "A fome angustia (do verbo angustiar) muitas famílias", eu estou falando da fome COMO SE FOSSE um ser de existência individual, independente, praticante de uma ação, mas na verdade apenas parece contreto; continua sendo uma SENSAÇÃO, que depende de um ser concreto para existir.

    Em casos específicos, se o substantivo abstrato servir para denominar pessoas ou animais, aí ele pode ser considerado contcreto. Por exemplo: um desenho com uma PERSONAGEM chamada MORTE ou outra cujo nome fosse FOME. Nesse caso, não se fala mais da ação de morrer ou da sensação da fome, mas de seres que por algum motivo foram denominados dessa forma.

    ResponderExcluir
  7. haha gabriel é subtantivo concreto ou abstrato so isso quero sabe

    ResponderExcluir
  8. por favor meu nome e priscila , parei de estudar a 16 anos agora estou novamente tentando estuda por supletivo ensimo fundamental , so q nao consigo me lembra de nada q ja tenho estuda parei na 6 serie, gostaria de saber qual seria a melhor maneira pra q eu estuda se e entendece o q estou estudando obrigada

    ResponderExcluir
  9. Professor...

    o senhor poderia me informar se a palavra DUNA é concreto ou abstrato. Estou em dúvidas. Depois da resposta poderia me dizer o porquê da resposta?
    Obrigado por sua concideração
    Luis

    ResponderExcluir
  10. o que e subtantivo concreto
    :0

    ResponderExcluir
  11. Discordo. Como Chulé pode ser concreto , se depende de um ser vivo para se manifestar????

    Daniel SSA

    ResponderExcluir
  12. Duna é concreto. É uma formação de relevo. Pode ser percebida por pelo menos 1 dos cinco sentidos, no caso a visão.

    Chulé igualmente pode ser percebido pelo olfato, por isso é concreto.

    Já fome é abstrato, pois é uma sensação física e só é sentida por quem está com fome, eu não 'sinto' a fome de outra pessoa por nenhum dos 5 sentidos [ o ronco na barriga é um sinal do organismo, que inclusive pode indicar outras coisas].

    ResponderExcluir

Tem opinião? Então escreva!!!

Posts Relacionados

VOTE EM MINHA LÍNGUA E EU